Namoro costumes

Crise existencial? Qual o sentido da vida?

2020.09.12 01:27 sheisice Crise existencial? Qual o sentido da vida?

Estou a escrever este desabafo novamente porque ontem o apaguei sem querer. Há uns dois dias sai com duas amigas minhas e antes que digam que não respeitei a quarentena, moro em Portugal, onde a quarentena acabou há meses. Continuando...
A maioria dos meus amigos já trabalha ou estuda na faculdade enquanto que eu, por ter 'acabado' a escola mais tarde, não faço nem um nem outro. Pretendo começar a trabalhar ainda este ano mas esse não é o tema deste desabafo. É frustrante para mim saber que não posso compartilhar experiências parecidas com as dos meus amigos pois parece que estamos em fases diferentes de vida mesmo com a mesma idade. Sei que este ano não vou poder entrar na faculdade e que provavelmente no próximo ano será a mesma coisa mas mesmo que entrasse, acho que a faculdade já não teria o mesmo significado para mim como antes. E sim, eu sei que a vida não se resume em fazer um curso, trabalhar para construir uma família, apesar da nossa sociedade ver isso como o básico para uma pessoa ser minimamente feliz.
Então quando saí com as minhas amigas, o que deveria ser um encontro alegre tornou-se sufocante.
Elas as duas estudam o mesmo curso mas em faculdades diferentes, ambas acabaram o primeiro ano e claro que ficaram muito entusiasmadas em compartilhar isso comigo. Eu fiquei feliz por elas. No entanto, 90% da conversa que tivemos foi sobre o curso delas(não estou a brincar quando digo isso) e foi ai que comecei a desejar voltar para casa. Não queria sentir inveja ou algo do tipo mas também não queria ficar aquele tempo todo a falar só de faculdade quando elas mesmas estavam de férias! Eu pedi para falarmos de outros temas além do curso delas e elas concordaram. Falamos um pouco sobre o que cada uma fez durante estes meses e claro que elas tinham novidades para contar (namoro, passeios, a vida dos nossos amigos, etc) enquanto que eu não tinha nada de emocionante para contar pois passei praticamente estes meses em casa, mesmo quando a quarentena acabou aqui em Portugal.
A conversa continuou e uma das minhas amigas que tem o costume de interromper a conversa para falar dela mesma, não parava de nos interromper. Tivemos até que lhe explicar que ela estava a interromper e ela pediu desculpa. Ela costuma fazer isso mas não o faz com arrogância, apenas fica muito entusiasmada. Todos temos defeitos, né? Então quando essa minha amiga recebeu uma chamada, a minha outra amiga começou a falar comigo e foi ai que eu comecei verdadeiramente a falar, sem frases soltas ou monossílabos. Até a minha amiga comentou isso, que enquanto a outra falava por chamada, eu comecei a falar.
Durante a conversa, comentei sobre ter pensado no verdadeiro sentido da vida pois passei estes meses a me questionar muito sobre isso. E quando elas me perguntaram qual era o sentido da vida para mim eu respondi algo como "O sentido da vida para mim? Acho que é sobreviver!". A frase soou deprimente pois as repostas delas em relação à pergunta foram muito mais interessantes e cheias de sonhos como "acabar a faculdade ou marcar a diferença ajudando alguém e bla bla". E mais uma vez senti-me uma idiota.
Elas voltaram a puxar o assunto faculdade, começaram a falar sobre as matérias do curso que eu não entendia nada mas sorria e fingia adorar ouvir tudo. Elas se aperceberam que estavam a falar demais sobre isso e pediram-me desculpas mas sempre voltavam para o mesmo. Algumas vezes ainda tentavam que eu falasse sobre outras coisas mas eu não tinha nada de interessante para dizer. Comecei a desejar que o dia acabasse logo e felizmente uma delas disse que tinha que ir para casa e eu aproveitei para também sair dali.
Quando cheguei a casa chorei. Sentia-me uma falhada e vazia por dentro. Percebi que a minha vida está parada, fechada numa bolha, porque eu não faço nada para mudar isso, simplesmente fico no conformismo. Quero emoção, algo novo na minha vida mas estou cansada de viver. Quero pessoas verdadeiramente interessadas em me conhecer profundamente pois sinto que a maioria que me cerca não quer saber de mim de verdade, talvez me achem muito burra ou apenas apagada...Mas como posso querer que me conheçam profundamente quando nem eu faço esse esforço por mim mesma? Será que devo mesmo me esforçar mesmo sabendo que não valerá mais a pena pois vou morrer um dia?
E não, não me vou suicidar. Apenas estou cansada. Sinto que a vida não tem significado. Fazer x cursos, ser dono de uma empresa ou construir uma família. Tudo isso um dia vai acabar quando a morte chegar e eu só quero que ela chegue. Sei que estou numa crise existencial a encaminhar para uma depressão. Sei também que este texto ridículo não me vai levar a lado nenhum mas estou cansada. Só quero perceber o sentido de colocar vida na terra para depois sofrermos. Pessoas vivem com a dor e falta de itens básicos na vida enquanto que eu, com os pais vivos, um teto e amigos, sinto-me vazia, estranha...
Qual seria o sentido da vida se não sobreviver? Os últimos meses foram intensos para todos nós e isso só me fez ver que não tem necessidade nenhuma estarmos vivos. As pessoas sofrem, uns mais que outras. É inevitável. Estou cansada de ver tanto sofrimento para depois saber que vamos todos morrer.
O mais engraçado nisto tudo é que eu faço parte daquele grupinho de pessoas que acredita em vidas passadas (sim, não me julguem). Então, sendo eu uma pessoa que acredita no reencarne e desencarne, devia saber que a vida apesar de efêmera, terá continuidade noutra vida e que não estamos aqui nesta vida por acaso. Só que ultimamente esse pensamento criou-me mais incertezas do que certezas. Porque se de facto vidas passadas existem, eu não quero reencarnar novamente. A vida já é tão exaustiva para reencarnar novamente...
É isso. Eu não quero tirar a minha vida, apenas quero que a vida me tire dela.
Enfim, obrigada se chegaram até aqui. Peço desculpas pelo desabafo cheio de contradições e erros ortográficos. Se quiserem dizer algo, fiquem à vontade!
submitted by sheisice to desabafos [link] [comments]


2020.09.05 13:58 tOKYOFF Minha namorada terminou comigo

É isso, minha namorada terminou comigo. Após 4 anos e 2 meses ela terminou comigo por mensagem.
Namoramos por 4 anos, sempre tivemos brigas mas sempre nos resolviamos na conversa, sem desavença sem remorso. No final do ano passado como de costume eu vou para Natal ver minha família e como não sou eu que marco o dia de volta das passagens, acabei voltando apenas em fevereiro, ela ficou chateada mas tudo ficou de boa, foi me buscar no aeroporto e tal. Seguimos o ano normal, saimos e tal, até que chegou a pandemia (esqueci de mencionar que ela conseguiu um estágio em São Paulo no começo do ano), ainda nos viamos normal já que a doença ainda estava "controlada". Quando começou a quarentena deixamos de nos ver já que ela continou trabalhando e eu como grupo de risco, não queria pegar 3 ônibus pra ver ela. Meu pai sabia que não ia dar certo a gente se separar por muito tempo já que vivíamos grudados e se ofereceu pra buscar e levar ela todo fim de semana. Foi perfeito, ela não trabalhava de fim de semana, seguimos todos os protocolos de higiene e ficavamos felizes.
Em um fim de semana ela veio pra cá, super feliz, passamos o dia felizes, fizemos churrasco e tal. Uma semana depois ela termina comigo por mensagem... eu sou extremamente apegado e praticamente me humilhei pra que aquilo não acontecesse, marquei de nos encontrarmos para conversar melhor. Long story short, ela não queria mudar de ideia porque diz que demorou pra tomar essa decisão. Ela me diz que sente que não é mais o mesmo relacionamento, que estavamos empurrando com a barriga porque a gente não conversava mais (completamente descartando o fato de que ela não usa o celular direto e passa parte do dia trabalhando), expliquei que a gente não tinha mais tempo pra conversar e disse que mesmo assim eu sempre tempo todo dia conversar com ela, ficou irritadada e disse "nem transamos mais" (no meio de uma pandemia????) e eu disse que podiamos resolver tudo, não precisava de tudo isso, mas não adiantou.
Agora depois de um mês continuo triste, não tenho coragem de tirar nossa foto da mesa. Meus amigos apenas falam com e esqueceram que eu também estou sofrendo. Tenho que ver os posts dela no face praticamente fazendo graça do nosso término (piadas de "você já terminou um namoro mas...", "você casaria comigo sabendo que...") e isso machuca porque ela passa por isso como se 4 anos não fosse nada. Nem eu nem ela contamos para alguns amigos e família e nem sei como iremos fazer isso, vou ter que explicar pra toda minha familia que terminamos e ficar triste a cada pergunta dela.
Sentirei falta da família dela.
Minha ideia não era dizer tudo isso mas acabou que ficou desse tamanho, como a única pessoa que era minha amiga era minha namorada preferi desabafar aqui mesmo, onde infelizmente sei que vou ter mais ajuda do que meus "amigos". Só de vocês lerem será de enorme feito pra mim, gostaria de agradecer este sub, há pessoas de muita compaixão aqui.
Bom, vale mencionar que tive uma época com depressão e possuo ansiedade extremamente forte então continua difícil superar isso mas deixarei que me dêem conselhos.
submitted by tOKYOFF to desabafos [link] [comments]


2020.08.28 01:15 TELZERAxX Como saber se você já foi corno por mais que a pessoa negue que nunca te traiu ou te trai??

Sei la algum especialista no caso ??? Rsrs alguém estilo metaforando, ou que já passou por isso, alguém que já saiba quais os sinais que a pessoa dê, as atitudes delas... Já namorei 3 vezes, na primeira vez que terminei a mina me amava e tal, dizia que era pra sempre que iria me amar, e do nada depois de tempos disse que queria um tempo, que estava confusa da vida, e que era melhor a gente dar um tempo e ser apenas amigos (pra alguém que me amava tanto como namorado e depois me ver só como amigo é estranho) disse também que ela achava que tinha nascido pra viver sosinha, que ela não gostava de mais ninguém (tudo isso ela dizia pra gente terminar). Falou milhares e milhares de coisas de o quanto ela queria viver totalmente só... Aceitei numa boa, terminamos... Quando menos esperei ela apareceu nas redes sociais com o seu tal "tempo" kkkk eu ficava tipo "ué vivia dizendo que queria viver sosinha?" E praticamente Depois de tudo isso resolvi dar uma chance ao amor novamente depois de ter quebrado a cara.... A gente já se conhecia a anos já tinha ficado em alguns momentos e chagamos a uma conclusão de darmos uma chance ao amor... Ao namoro. Namoramos foi tudo belo, tudo maravilhoso, com mil promessas com várias juras de amor milhares de eu te amo ... Éramos um grude só... (Sem contar que no meio desse namoro sempre aparecia de costume assim como todo namoro aquele infeliz que ainda não superou ela e ficava direto chamando ela no PV) O tal amigo rsrs "hj ele é só um amigo amor" Enfim a história foi por incrível que pareça a mesma... Chegou pra mim e praticamente disse quase as mesmas coisas que no meu primeiro namoro disseram. Eu fiquei em choque pq provavelmente eu ia sentir na pele pela segunda vez, só que dessa vez eu já saberia o fim disso (seria trocado por outro). E dessa vez eu fui questionando tudo, perguntando se ela iria me trocar.. sim, eu fui direto kk pq eu já entrei em desespero... A primeira vez eu não sabia o fim, agora imagine na segunda vez já sabendo o provável fim?? Pois é. E o pior que ela sempre nega não ter ninguém na vida dela, nega que nunca iria me trocar... Hj em dia a gente já nem se fala tanto, mas ela vive postando indireta pra um certo alguém, posta prints de conversa de um certo alguém dando em cima dela, posta várias coisas sobre amor, e quando resolvo sempre questionar ela sempre nega até a morte... Alguém pode me explicar se devo confiar nela ou na minha intuição pela experiência do primeiro namoro ??? Eu quero por um fim nisso d saber a verdade se fui ou não trocado...
submitted by TELZERAxX to desabafos [link] [comments]


2020.07.31 01:33 Felicity4Now O mundo dá voltas, meu amigo

Oi queridos, tudo bom com vcs? Essa é minha primeira vez no reddit, mas fiz o login mais pra desabafar essa história que está pesando demais pra mim. Postei essa história em outra pagina, mas vou postar nessa tbm. Quem não gosta de histórias deprimentes e longas, pule esse post.
Tudo começou faz 2 anos, em 2018, qdo eu fui para o oitavo ano e resolvi me mudar de colégio pq eu não me dava bem com os colegas da escola anterior (quer dizer, sempre fui meio excluída em todas as escolas que estudei mas enfim). Para a minha surpresa, o pessoal desse colégio aparentemente tinha me aceitado e fiquei mto feliz, finalmente tinha me sentido incluída na escola, deu até um alívio. Mas bem, a história não eh exatamente sobre isso, é sobre oq eu vivi com um amigo meu, vamos chamá-lo de Clóvis. Nunca tinha tido amigos piá, mas nesse ano foi diferente, me dei melhor com os piá do q com as guria. E para a minha surpresa, Clóvis foi, e sempre será, meu melhor amigo, por mais q ele tenha até me esquecido.
A primeira vez q vi Clóvis, ele já me atraiu, sim gente, comecei a ter um crush nele, mas eu ignorei, achei q era coisa da minha cabeça. Enfim, no início, Clóvis era uma pessoa super legal, extrovertida, gente boa, zuera, e foda kkkk. Mas... dps eu descobri q ele tinha depressao, hj eu entendo q a maior parte das pessoas q riem dms são as mais tristes por dentro... sei pq isso aconteceu cmg tbm, mas vou deixar isso pro fim. Por conta da depressao, tentei ajudar Clóvis de todas as maneiras possiveis, dava conselho, brincava com ele, tentava animar ele, mas ele sempre tentava se matar, sem sucesso graças a Deus. Mas isso fez com q meus sentimentos ficassem confusos, pq eu n queria, tipo, namorar alguem baixo astral, já q eu era tbm. Eu sei exatamente oq vcs estão pensando agora, sou uma ignorante msm, eu concordo, n precisam ficar jogando na minha cara pq eu já sei blz?
Enfim, como eu tava mto confusa, acabei me enganando e achei q estava gostando de um amigo dele (vamos chamá-lo de Roberto). Roberto era um cara foda tbm, gente finíssima, alegre e tals, até q ele me pediu em namoro no mês de Maio, mas eu recusei. Dps, Clóvis me pediu em namoro, e eu recusei tbm, n queria arranjar encrenca entre os 2. Mas, no final do mês de Agosto do msm ano, começou a merda. Eu n me lembro mto bem o motivo, porem briguei feio com Clóvis e comecei a namorar o Roberto. SIM, oq eu n queria aconteceu, treta total meus amigos. Vcs devem estar pensando: “mds q BURRA”, pse, eu tbm penso isso de mim tá? Mas n dá pra eu voltar no tempo.
Assim, o namoro q eu tive com o Roberto foi meio q uma amizade colorida (pra vcs terem uma ideia, se beijamos apenas 2 vezes em 8 meses ksks). Na fase auge do namoro, entre Agosto e Outubro, Clóvis continuava brigado cmg, até pq dava pra ver q ele tava super puto cmg por n ter sido aceito, se sentiu trocado e humilhado (tá gente, eu tava confusa, n taquem pedra em mim pq eu já taquei um monte já, pfv). Mas dai no final de Outubro a gente conseguiu fazer as pazes e continuamos bons amigos, junto cmg namorando o Roberto.
Outro ano se passou e todos continuamos estudando na msm escola, ou seja, continuou essa msm confusao, msm com tudo resolvido. Até que, no final de março de 2019, terminei com Roberto, pq ele tinha sido mto imaturo cmg e eu n permiti mais isso, e percebi q n fazia sentido eu ter namorado ele, até pq eu descobri mta coisa ruim dele tbm, mas n vamos entrar em detalhes (caso queiram saber, eu continuo amiga de Roberto hj em dia, pq odeio guardar mágoas das pessoas, ou eh pq sou mto trouxa, enfim).
E dps disso, Clóvis ataca novamente. Ele começou a me paquerar, quer dizer, ele nunca parou, mas foi mais forte dessa vez, e a gente foi contruindo uma relacao ao longo do ano, uma relacao mto, mas mto forte. Continuávamos bons amigos, mas a gente era REALMENTE melhores amigos mais aquele lance de paquera, até pq descobri q nunca tinha parado de gostar dele. (ss, Roberto aparentemente levou um chifre discreto, mas n vamos entrar em detalhes).
Continuando, eu infelizmente tive q mudar de colegio, por conta dos professores, q por mais q eu tirasse nota 10 nas provas eles me humilhavam junto com todo mundo, e por conta das minhas amigas, q andavam me excluindo do grupo delas. Mas minha amizade com o Clóvis foi longe dms, eu acabei dando mto em cima dele sem nem perceber direito e ele se iludiu cmg. No final do mês de Novembro, ele me pediu em namoro.... e advinha oq eu falei? NÃO Serio gente, eu disse não. Ai ai, nem eu creio, mas vamos continuar. Eu disse não por vários motivos, entre eles: 1- Não podia namorar, principalmente pq meus pais n deixam e meio q peguei trauma da historia com o Roberto (chorava todo dia pq odeio mentir, me fez mto mal); 2- Tinha medo q ele se revelasse pra mim e me magoasse, até pq ele eh super negativo e enfim; 3- medo de aceitacao da familia dele; 4- paranóias; 5- medo de começar o namoro e dps ele me largasse; 6- trauma do Roberto; 7- Ficar com depressao por conta do namoro, até pq eu fico mal vendo ele mal; 8- me arrepender.
Tá, podem parecer motivos absurdamente imaturos, mas se coloque no meu lugar, eu sou imatura gente, dclp.
Logo, Clóvis ficou de mal cmg por uma semana, n soube como aceitar aquilo. Mas dai, ele aplicou o golpe baixo dps, o mar diminuiu e dps veio o tsunami, se eh q vcs me entendem.
Ele resolveu q queria ser meu amigo dnv dps de uma semana brigado cmg. Eu achei estranho, mas aceitei ele de braços abertos, ate pq odeio guardar rancor, como disse anteriormente. Mas... ele nunca mais foi o msm, ele ficou mto estranho cmg a partir dai. Ele começou a me sacanear, a zoar dms cmg, mas achei q era coisa da minha cabeça e entao deixei neh.
Até q, no inicio de Março de 2020, era meu aniversario, e Clóvis sabe q eu amo comemorar nesse dia pq adoro festas. Entao, ele simplesmente me bloqueou. Eu n entendendo nada, fui falar com o irmao dele perguntando se tinha acontecido alguma coisa com o Clóvis, e ele me falou q Clóvis estava bravo cmg por conta do q eu fiz. Como já tinha se passado meses, eu achei q ele tinha já superado tudo isso, mas n.
Bem gente, foi ai q veio o tiro. Dps de horas sem me responder, ele me vem me desejando feliz aniversario, me chamando de corna tbm (ele tinha esse costume de me chamar assim por conta do Roberto). Mas eu n curtia mto isso, na maioria das vezes ignorava. Eu fiquei tao triste com aquilo, pq poxa, eu achei q tinha acontecido alguma coisa seria com ele ou q ele tava com raiva de mim, entao, bloqueei ele e fiquei sem falar com ele ate o final do mês. Mas já n aguentava mais, eu amava aquele cara (por mais q eu tenha feito mta coisa ruim). Perguntei pro irmao dele se estava tudo bem com Clóvis, e ele disse q ss.
Logo, me vem uma amiga dele me mandando direct pelo Insta e me falando q ele queria falar cmg. Pensei bem, e como n gosto de guardar rancor, desbloqueei ele. Se eu pudesse voltar no tempo, n teria feito isso de jeito nenhum gente, pq oq aconteceu dps parte meu coracao ate hj.
Conversei com ele e ele falou tudo oq eu queria ouvir, q sentia mto e q ele havia agido com mta imaturidade, disse q eu tava confusa com meus sentimentos e q ele devia ter me entendido antes. Ai gente, eu tinha ficado tao, mas tao orgulhosa dele! Qdo ele falou tudo aquilo, eu senti um alivio, até pq eu n precisava mais sentir aquela pontada de culpa q eu sentia todo dia. Q nada gente, o pior foi dps...
Uma semana se passou, e ele me bloqueou, sem deixar rastros. Fui perguntar pra amiga dele pq q ele tinha feito aquilo, e ela jogou um balde de agua fria em mim. Disse q eu n entendia nada e q eu tinha colaborado pra depressao dele, q eu só fiz mal pra ele e q eu devia me sentir arrependida diante disso. Eu como qualquer ser humano, tentei me defender na hora, tentando achar razao em mim, mas dps de uns meses percebi q realmente, eu sou uma monstra.
Pedi pra ele me desbloquear pra gente conversar, e foi uma burrice. Ele falou q eu tinha arruinado grande parte da vida dele e q eu q joguei ele no inferno q a vida dele eh, e mto mais coisas ruins q vcs n precisam saber.
Eu me senti acabada, principalmente pq a gente tava tao bem e eu achei q a gente ia conseguir seguir em frente sabe? Eu tinha esperança daquela amizade maravilhosa continuar com tudo. Achei q a gente ia festejar mais festas juninas, zoar, sair pros rolê, se divertir, cheirar pó de giz (KKKKK), entre outras coisas aleatorias. Sabe, eu amava mto ele, mas dps disso tudo oq eu fiz, era de se esperar q ele ia me dar esse tiro.
No inicio, eu tentei me esquecer dele, xingar ele, pensar coisas ruins sobre ele, tentar botar a culpa nele. Achei q em umas semaninhas ele ia voltar pra mim, mas n, ele sumiu...
Ate q, com esse sumiço, comecei a me dar conta do q q eu realmente fiz. Como pude ser tao cruel? Só pensar nos meus sentimentos e n nos dos outros? Como q eu consegui agir achando q era certo qdo na vdd era errado? Gente, eu comecei a me sentir, tao, mas TAO culpada, q a culpa até dói.
Eu sei q vcs devem ta pensando: “Ta, fez e recebeu, eh lei do retorno, lei da acao e reacao”. Mas gente, eu tava tentando ser feliz uma vez na vida, tava tentando ser aceita, e isso nunca tinha acontecido cmg e me confundi dms. Achei q tava fazendo o melhor qdo na vdd eu n deveria ter namorado ninguem isso sim. Mas eu n posso voltar no tempo...
Enfim, abril e maio se passaram, e eu comecei a manifestar sintomas de depressao, por conta das coisas da escola, por conta da cobrança, e principalmente, por conta dessa situacao, pq comecei a sentir mta culpa msm. Fiquei doente do estômago por conta de tudo isso e ainda to meio mal, n consigo comer como antes tbm. Tentei falar com Clóvis umas dezenas de vezes, mas msm assim n tinha papo.
Até q junho começa e me chega uma solicitacao no direct do Insta, era uma menina (vamos chamar ela de Folks), me pedindo dicas pra gravar videos, ate pq eu posto mto video no Insta pra ver se eu me esqueço de tudo isso. Comecei a conversar bastante com ela, principalmente pq ela eh incrivelmente incrivel. Ate q um dia eu tava bem bad e falei sobre todos os meus problemas com ela, e ela me disse... q ela era amiga do Clóvis.
Na vdd sempre desconfiei q ela era amiga dele, por conta de varios motivos, mas n vou ser especifica. Mas n deixou com q eu n ficasse em choque com Folks. Desde entao, ela tem tentado me ajudar a superar isso, conseguiu convencer Clóvis a falar cmg e enfim.
As conversas q eu tive com Clóvis, mais pioraram do q ajudaram, até pq ele dizia q me perdoava, mas q n conseguia nem falar cmg e nem voltar a ser meu amigo. Eu entendo ele pq nem eu to aguentando mais a minha presença. Mas, isso n deixou de doer em mim... E qdo ele me disse q tinha conseguido me esquecer e conseguiu me trocar pela Folks, foi a gota d’água...
Sabe, eu n sabia q eu podia ser trocada como um objeto, achava q era coisa da minha cabeça. Mas ele me trocou, e pela Folks ainda, q eu considerava e considero uma grande amiga...
Ah, o pior n foi isso q ele me falou. O pior foi qdo ele me disse q no inicio da nossa amizade, ele tinha intencoes ruins cmg... não, n eh relacionado a sexo ou coisa do tipo, eh coisa mais sombria. Eu n sei bem falar oq eh pq ele n foi mto especifico, mas isso me doeu tanto, pq eu sempre desejei o bem dele, por mais q eu tenha feito mta besteira com ele...
Entao gente, se eu n tivesse feito tudo isso, será q ele teria feito alguma coisa cmg? Eu sou a culpada ou ele? Nós 2 somos culpados? Eu devo me humilhar pro resto da vida? Ele q tem q se humilhar? Oq q eu devo fazer agora? Essas são duvidas q eu tenho, quem puder esclarecer ou tentar compreender a minha situacao, pfv me ajude. Oq vc faria no meu lugar? Se vc faria a msm coisa q eu, oq faria pra consertar?
Bom, eh essa a minha historia, q ninguem sabe o final... Dclp se foi uma historia mto deprê, mas eh q eu tinha q desabafar em algum lugar, serio msm.
submitted by Felicity4Now to desabafos [link] [comments]


2020.07.28 05:07 ahnediman Levei um block

Resumo rápido, pois eu estava escrevendo um texto super detalhado da minha situação e infelizmente o aplicativo do reddit travou, então segue desabafo sem capricho:
Fui corna, expulsa de casa, sai de um relacionamento de 3 anos. Estou sozinha desde janeiro, veio a pandemia e a necessidade de se isola. Conheci um cara legal pela internet, coisas em comum, inclusive amigos, conversamos por um mês e nos apaixonamos, mas ele me pediu em namoro (pediu um anel de presente também) eu aceitei (bebada). Depois de algumas semanas eu percebi que não era bem isso o que eu queria, o sentimento se agravou após ele pedir para eu excluir uma foto que eu tinha com o meu ex (dois pés na imensidão do oceano, foto conceito sem valor sentimental amoroso para mim). Percebi que era um rebote, e conversei com ele sobre, ele ficou extremante triste pois ele achou que estávamos dando certo (2 meses de conversa pela internet). Pensei muitas vezes, fiquei com dó e voltei.
Um mês e o mesmo sentimento, disse que de fato eu não queria namorar ninguém e que o carinho que eu sinto por ele não é romântico. Ele aceitou bem, até ver uma foto minha no instagram, brigou comigo pois disse que eu não estava me importando com os sentimentos dele, eu disse que só estava bem porque ele estava bem. Continuamos a nos falar, sem o título de namorados, era legal, era como se fosse um melhor amigo.
Julho começou e chegou a necessidade de trabalhar mais horas do que o de costume, então eu disse que responderia menos e que eu passaria por stress e cansaço, ele aceitou e disse que tudo bem. Eu diminui a frequência e a maneira como eu costumava responder as mensagens, eu fiquei meio sem paciência, principalmente com o jeito que ele exige atenção e carinho. Ele desabafou sobre isso na sexta-feira e eu reconheci o problema, disse que não tem culpa pelo o stress que eu estou passando, me desculpei e disse que iria me policiar. No sábado nos conversamos normalmente, a última mensagem que recebi foi um áudio dele tocando guitarra, mas eu não respondi a tempo, estava com cólica e cai no sono. Acordei e não consegui responder, fui bloqueada em todos os cantos, ele nem deixou uma mensagem de despedida :(
Às vezes eu me sinto a pior pessoa do mundo, às vezes eu acho que ele é a pior pessoa do mundo e ainda com um toque de imaturidade.
submitted by ahnediman to desabafos [link] [comments]


2020.07.23 21:54 lylipoppy Ninguém imagina a tortura que estou passando

Tem mais ou menos um mês que minha avó me colocou pra fora de casa, e depois que isso aconteceu tive que me virar nos 30 e procurar um lugar pra morar recebendo uma miséria. Mas depois que isso aconteceu a minha vida virou um verdadeiro inferno.
Minha avó está me perturbando demais, quando sai levei comigo minha cachorrinha, e ela é o único vínculo que temos. Mesmo depois que sai de casa eu continuei levando minha cachorrinha para a casa dela por que ela gosta muito do animal e eu com pena levava. Até que um dia ela teve um surto de raiva do nada e meu irmão disse para não levar a cadelinha mais lá.
Até aí tudo bem, comecei deixar a cachorrinha em casa quando ia trabalhar e foi a partir disse que tudo piorou. Ela começou a mandar mensagem e ligar querendo a chave da minha casa para entrar lá pra pegar a cadelinha, como ela sempre quer ter o controle de tudo obviamente não entreguei a chave, pois a casa é minha e ela tem um mau costume de mexer em tudo que é particular dos outros.
Meu irmão me ligou me ameaçando dizendo que iria vir no meu trabalho pegar a chave pra entrar lá, e seria melhor eu dar caso contrário ele iria me fazer passar vergonha, fiquei com medo pois ele já me bateu uma vez. Liguei então pra minha mãe e disse o que tava acontecendo, ela disse pra mim entregar a chave, mas fui firme e disse que não deixaria isso acontecer.
Pedi meu chefe para sair para resolver um probleminha e fui então pegar a cachorra e levar na casa da minha avó, disse no portão pra ela que ela não iria mandar na MINHA CASA, pois ela não paga nada lá.
A tarde ela teve outro surto de ódio e disse que não queria mais a cachorra na casa dela. No outro dia continuei deixando a bichinha em casa, e minha avó tornou a me infernizar mandando uma vizinha minha gravar o cachorro latindo (pois ela nunca ficou sozinha e tá tendo que acostumar agora), então ela me ligou dizendo que iria me denunciar por abandono de animais, wtf é um cachorro dentro de casa com água e comida, mas mesmo assim ela quer me denunciar por esse fato absurdo.
No telefone ela começou a dizer que ia chamar a polícia, que eu era uma PUTA, uma VAGABUNDA e que eu sai de casa pra “dormir com homem” sendo que tem 5 anos que namoro, me chamou de piranha e ficava o tempo todo repetindo que eu era uma cachorra.
Isso tudo é uma confusao muito idiota, eu sei, mas ela tá surtada e não aceita ajuda médica, ela também disse que vai se enforcar mas já deixou uma carta escrita dizendo que eu sou a culpada dela ter se matado. Eu não aguento mais, eu não faço ABSOLUTAMENTE NADA, quem me conhece sabe que ela tá completamente doida, surtada... sem contar que quando fui levar a cachorra na casa dela ela me ameaçou com uma faca, atoa... sem razão.
Isso tá uma tortura, esta atrapalhando no meu emprego e na minha vida, mesmo eu longe dela, morando longe dela, ela consegue controlar a minha vida e fazer com que eu deseje arduamente minha morte... eu sei que ninguém vai entender o que to passando até porque contei a situação resumidamente, mas não tenho mais forças pra lidar com ela. E não adianta cortar ligaçoes e parar de atender ou de ir lá, ela coloca terceiros no meio da história, gente que eu nem conheço vem no meu serviço a mando dela...
Sei lá... não sei até quando eu vou aguentar isso, achei que saindo de casa as coisas iriam melhorar, mas me enganei.
submitted by lylipoppy to desabafos [link] [comments]


2020.07.22 02:58 ddtxt1111 TERMINEI O NAMORO, ACONTECEU UMA COISA... E AGORA??

Olá, tinha uma namorada até poucos dias atrás, tínhamos 3 anos de namoro, perdemos a virgindade um com o outro e sempre fizemos tudo juntos desde que começamos. Alguns dias atrás comecei a sentir algo diferente, e comecei a desconfiar dela e ela de mim, exageradamente. Decidi terminar pois eu tava desconfiando e sempre falava pra ela que tava pensando que ela tava fazendo algo errado, e ela disse que isso tava irritando muito ela, mas ainda continuamos conversando, pois estava difícil sair de vez um da vida do outro, até que ela me provou que não tinha acontecido nada, mas eu ainda estava meio relutante, até que ela me disse que ia no aniversário da tia dela e depois voltava pra casa dos avós ou vinha pra minha casa. Desde esse momento comecei a sentir algo ruim, e como de costume, desconfiei. Ela tinha bebido, e começou a me responder meio seca, pois entendo que eu estava perturbando. A sensação ruim começou a piorar e ela não me atendia, e minha desconfiança aumentava. Na madrugada, eu estava assistindo série, e me deparei com uma mensagem dela dizendo que tinha dormido, acordou aquela hora e queria conversar comigo aqui na minha casa. Quando ela chegou, dormimos um pouco e conversamos, e foi aí que veio o baque, ela disse que bebeu muito e tava muito puta com minhas mensagens, e transou com outro cara. Nessa hora meu mundo caiu, rasguei e quebrei todos os presentes que ela me deu, devolvi o dinheiro, e mandei ela sumir da minha vida, pois não tenho autoestima e nem confiança em mim mesmo, então apesar de ela negar, sei que transar com outra pessoa foi melhor que comigo, e mesmo sabendo que ela estava solteira e tinha o direito de fazer o que quisesse, me magoou pois sempre foi muito forte nossa química e toda aquela coisa de termos transado só um com o outro na vida toda, e isso simplesmente foi quebrado. A questão é que hj, dois dias depois, ela disse que deu um fora no cara, quer transar comigo, e até voltar a namorar, insistindo que eu faço tudo certo na cama e é uma sensação totalmente diferente comigo pois já nos conhecemos, sabemos tudo que o outro gosta, e sempre faço ela gozar. Mas não sei o que fazer, pois me sinto inferior ao cara, em todos os sentidos, e sei que na hora do sexo não vou conseguir fazer nada lembrando dela sentindo prazer com outra pessoa. Me ajudem, queria saber uma opinião de alguém de fora dessa história, imparcial. Devo voltar? Foi só sexo, nada demais? Devo realmente continuar separado devido aquela coisa toda envolvendo eu ter feito sexo só com ela e ela comigo ter sido quebrada? Não sei se tô certo ou errado, só quero saber o que outras pessoas fariam.
submitted by ddtxt1111 to relacionamentos [link] [comments]


2020.07.22 02:53 ddtxt1111 TERMINEI O NAMORO, ACONTECEU UMA COISA... E AGORA? Senta que lá vem história...

Olá, tinha uma namorada até poucos dias atrás, tínhamos 3 anos de namoro, perdemos a virgindade um com o outro e sempre fizemos tudo juntos desde que começamos. Alguns dias atrás comecei a sentir algo diferente, e comecei a desconfiar dela e ela de mim, exageradamente. Decidi terminar pois eu tava desconfiando e sempre falava pra ela que tava pensando que ela tava fazendo algo errado, e ela disse que isso tava irritando muito ela, mas ainda continuamos conversando, pois estava difícil sair de vez um da vida do outro, até que ela me provou que não tinha acontecido nada, mas eu ainda estava meio relutante, até que ela me disse que ia no aniversário da tia dela e depois voltava pra casa dos avós ou vinha pra minha casa. Desde esse momento comecei a sentir algo ruim, e como de costume, desconfiei. Ela tinha bebido, e começou a me responder meio seca, pois entendo que eu estava perturbando. A sensação ruim começou a piorar e ela não me atendia, e minha desconfiança aumentava. Na madrugada, eu estava assistindo série, e me deparei com uma mensagem dela dizendo que tinha dormido, acordou aquela hora e queria conversar comigo aqui na minha casa. Quando ela chegou, dormimos um pouco e conversamos, e foi aí que veio o baque, ela disse que bebeu muito e tava muito puta com minhas mensagens, e transou com outro cara. Nessa hora meu mundo caiu, rasguei e quebrei todos os presentes que ela me deu, devolvi o dinheiro, e mandei ela sumir da minha vida, pois não tenho autoestima e nem confiança em mim mesmo, então apesar de ela negar, sei que transar com outra pessoa foi melhor que comigo, e mesmo sabendo que ela estava solteira e tinha o direito de fazer o que quisesse, me magoou pois sempre foi muito forte nossa química e toda aquela coisa de termos transado só um com o outro na vida toda, e isso simplesmente foi quebrado. A questão é que hj, dois dias depois, ela disse que deu um fora no cara, quer transar comigo, e até voltar a namorar, insistindo que eu faço tudo certo na cama e é uma sensação totalmente diferente comigo pois já nos conhecemos, sabemos tudo que o outro gosta, e sempre faço ela gozar. Mas não sei o que fazer, pois me sinto inferior ao cara, em todos os sentidos, e sei que na hora do sexo não vou conseguir fazer nada lembrando dela sentindo prazer com outra pessoa. Me ajudem, queria saber uma opinião de alguém de fora dessa história, imparcial. Devo voltar? Foi só sexo, nada demais? Devo realmente continuar separado devido aquela coisa toda envolvendo eu ter feito sexo só com ela e ela comigo ter sido quebrada? Não sei se tô certo ou errado, só quero saber o que outras pessoas fariam.
submitted by ddtxt1111 to desabafos [link] [comments]


2020.07.20 00:59 astral1999 fui praticamente obrigado a me casar com 18 anos ( atenção pf)

eu namorava uma menina, e o pai dela é uma daquelas pessoas rígidas de costumes antigos, pedi para ele para namorar com a filha, e ele autorizou, depois de um ano mais ou menos tivemos nossa primeira relação sexual, e o pai dela ficou sabendo, então ele chegou a me ameaçar, e tambem falou que ou eu casava com ela ou ele levaria ela embora pra muito longe, de acordo com ele nós tinhamos que nos casar para a filha dele não ficar com o nome manchado, e eu entrei em um grande conflito com minha familia para casar, o que causou muito sofrimento pra mim, mas casei com 18 anos de idade, foi um dia muito triste e eu tive que fingir sorrir a noite toda, e hj em dia estamos a 3 anos juntos, com um casamento que é um namoro, pois nós ainda não moramos juntos nem trabalhamos, mas assim, as vezes, eu passo na praça da minha cidade, vejo pessoas da minha idade se divertindo, aproveitando a juventude, e sinto vontade de estar lá, as vezes sinto vontade de ter uma vida de solteiro, conhecer novas pessoas, novas experiencias, as vezes me sufoca sabe, mas não posso terminar isso, ela me ama tanto sabe, me ama muito, quer ficar cmg pra sempre, se eu terminasse nosso relacionamento, a vida dela viraria um inferno, mas como eu disse, as vezes eu sinto a necessidade de me sentir livre, a vontade, até mesmo curtir uma solidão. o que vcs acham da minha história?

edit: vcs acham que eu deveria tentar me adaptar e tentar viver uma vida feliz com ela, ou terminar tudo e aproveitar minha juventude?
submitted by astral1999 to desabafos [link] [comments]


2020.05.08 14:58 TheRealFaate um relacionamento (um pouco) estranho

Vamos lá, meu "Nickname" é storm/faate e tenho 15 anos... E eu "namorei" minha própria prima. Tudo começou há bastante tempo, quando eu tinha por lá meus 9 anos e eu acabei percebendo que eu tinha alguma queda por ela, eu acabei falando contando isso e ela ficou com vergonha e talz (normal pra crianças de 9 anos). Bastante tempo depois ela veio passar uma semana aqui em casa (eu moro em uma chácara então como ela é da família é costume ficar vindo passar uns dias aqui) e bem, isso foi em 2018, logo eu já tinha meus 13 anos e ela 13 tbm, logo acabou rolando altas parada entre a gente e ficamos muito próximos (basicamente um namoro) e bem, isso continuou, ela veio aqui mais vezes e todas sempre a gente ficava, e era algo muito foda, a gente tinha uma sinergia fudida. Mas claro, primos são primos, e era óbvio que ia dar merda, algumas pessoas da família ficaram sabendo e meio que teve um distanciamento mínimo, mas que acabou gerando estresse e acabou nos fazendo brigar (isso já em no meio de 2019) formando assim a última vez que ficamos. O problema real é, prima, família, resumidamente todos os aniversários de alguém conhecido = ela vai estar lá, Natal em família, ela tá lá... Até mesmo no meu próprio aniversário ela tá lá, e isso me quebra, muito. Ja tentei falar com ela sobre isso, mas ela simplesmente diz que está "em outra vibe" (ela tá apaixonada por outro cara) Então eu tô aqui, triste, com saudade dela e outra paradas que quem já teve ex sabe, e as vezes eu melhoro, esqueço dela, mas aí do nada ela aparece, seja aqui em casa, ou no aniversário de alguém (como o do meu irmão que foi dia 6 desse mês, e pra variar ela veio pra cá) então eu não sei oq fazer, aceito dicas, conselhos ou qualquer coisa q vá me ajudar Obrigado por ler esse textao e me desculpe por fazer vc perder seu tempo.
Edit: essa parada de eu ficar vendo ela toda hora era muito bom quando a gente tava junto, mas agora é uma tortura, mais fácil de entender né?
submitted by TheRealFaate to desabafos [link] [comments]


2020.04.06 00:05 Bob_Arctor161 Tesão em tirar fotos

Sou M21 namoro a 1 ano e nunca curti muito essa coisa de tirar fotos. Talvez pq nunca fui confortável com meu corpo - sou bastante magro vcs sabem como meninos podem ser com isso. Além de que tenho inseguranças em relação a minha estética e performance.
Bom, desde que começou essa quarentena tendo estado longe da minha namorada, eu comecei a tirar umas fotos, para mim mesmo já que ela não curte muito isso. Isso começou dps de uma ligação de sexting.
A partir daí eu comecei a tirar mais fotos e mais fotos. Todos os dias desde de então. Acontece que durante essas sessões eu tenho ficado com MUITO tesão, e agora parece que só consigo ficar do tesão assim. Tenho costume de ver pornô aqui no Reddit mas sei lá, tirar fotos minhas, fazendo diversas poses umas "masculinas" outras "femininas", encravando a cueca do meu cu, me masturbando e gozando, tomando banho, fudendo meu cu... Isso me deixa com um tesão incontrolável.
Talvez eu esteja gostando assim pq eu me sexualizo, já que - e isto é pra outro post - minha namorada tem umas restrições com sexualidade. Talvez seja por eu ver muito dessas garotas do Reddit que tem only fans etc e eu me projeto nessa forma de sexo.
Sl só um desabafo.Alguém mais se sente assim? De gostar de tirar fotos?
submitted by Bob_Arctor161 to sexualidade [link] [comments]


2020.04.05 19:36 bonesbr Amor

Aqui vai meu desabafo sobre amor. Eu tinha 14 anos quando conheci uma garota do Ceará chamada Katarina, inicialmente me veio aquela paixão boba de criança mas eu tinha em mente que nunca a veria pessoalmente até por que ela morava a 2km de distância de mim, quando um belo dia ela veio pra SP no entanto quando ela chegou ficou 1 ano sem falar comigo, quando nos voltamos a se falar ela tinha me dito que não deu pra manter contato por conta de que não tinha celular quando chegou, eu acreditei saca? Mas conversando com uma amiga dela, descobri que na verdade ela não tava falando com ninguém mais por que logo que chegou começou a namorar um cara e não tava nem ae mais pra ninguém, até então tudo bem, eu não soube com lidar com isso inicialmente, mas deixei pra lá com o tempo, em 2018 a gente se viu pela primeira vez, num mercado perto da minha casa e cara quer saber, aquele foi o momento mais incrível que eu tinha vivido até então, abraçar ela era tão bom(ainda é), eu até me empolguei e levantei ela do chão de tanta felicidade, estava me tremendo e muito tímido como de costume, daí pra frente a gente conversa todos os dias e eu amava aquilo, chegou num ponto onde eu já não tinha mais espaço na cabeça pra pensar em mais nada só nela, e eu queria compartilhar todos os meus sentimentos por ela, logo como qualquer menino bobo, decidi pedir ela em namoro, péssima ideia, como vcs devem imaginar ela não aceito, disse que éramos apenas amigos e nunca ia passar disso, eu fiquei arrasado, não costumo chorar, sério mesmo, meu irmão já tentou se matar na minha frente e nem se quer uma lágrima sobre isso, mas me lembro naquele dia, eu chorei tanto mas tanto que meus olhos já estavam ressecados. Me afastei dela por um ano, mas não aguento ficar longe dela, então voltei só pela amizade dela mesmo sabe, mesmo eu sabendo que no fundo ainda a amava, resultado depois de uns 8 meses conversando e tal por algum motivo a gente se beijou e sim segundo momento mais feliz da minha vida, uma semana depois a gente transou e tipo sem palavras pra descrever, eu tô sem entender o que aconteceu até hoje, por que a gente transou algumas vezes depois ela nunca mais voltou, as vezes ela passa em frente o meu trabalho e a vejo, sempre.me lembro daquela música do konai "hoje te vi passar", resumidamente ela disse pra mim uma vez que ninguém nunca tinha chegado a ser tão profundo quanto eu na vida dela, mas não sei se acredito, pq se for verdade por que ela não tá comigo? Ou por que ela não voltou ? Eu já cometi o erro de ficar com outro alguém achando que ia passar, que eu só estava amando tanto pq ela foi minha primeira, mas não, não é, eu nunca vou amar alguém tanto como ela...
submitted by bonesbr to desabafos [link] [comments]


2020.02.29 18:18 sure-answer Estou desesperado pois voltei a gostar da minha ex, a qual eu mesmo terminei o namoro.

Há uns oito meses terminei um relacionamento de dois anos, pois já havia um tempo que eu estava infeliz. O namoro estava meio tédio, alguns costumes dela não me agradavam, eu já sentia atração por outras mulheres e já não estava aguentando mais aquela situação, sentia que não estava aproveitando minha juventude. Então tomei a iniciativa de terminar, foi tudo ok. Continuamos amigos depois disso. Era inevitável convivermos juntos, pois fazemos o mesmo curso, na mesma universidade, o ciclo de amigos era quase o mesmo, etc.
No começo do término fiquei muito de boa, tive uns momentos de lembranças e tal, mas coisa rápida, normal depois de qualquer término, né? Depois fiquei totalmente ok, sem sentir nada por ela, além do respeito e da amizade. As vezes a gente ficava e tal, mas pela minha parte era só pelo desejo carnal mesmo, sem sentimento.
Neste meio tempo, me envolvi com outras meninas também, cheguei a ficar mais sério com uma delas, mas não foi pra frente.
Finalmente, há uns dois meses comecei perceber que estava renascendo o sentimento por ela, a princípio aceitei, mas tentei sufocar, pois eu estava muito bem me relacionando com outras meninas. Tentei ficar lembrando (e ainda tento) lembrar dos motivos que me fizeram terminar, pra não me arrepender de ter terminado, mas não adianta. Tenho quase certeza que ela ainda gosta de mim, mas de uns tempos pra cá ela parece estar determinada a seguir em frente, então tem ido a muitas festas e vêm evitando contato comigo na medida do possível e isso aumenta ainda mais minha dor.
Anteontem ela me chamou pra dormir na casa dela pois estava meio mal, mas a todo momento foi super coisa de amigo mesmo e em nenhum momento eu ou ela tentamos nada um com o outro. Porém na hora de dormir ela estava assistindo série na cama e eu tentando dormir, mas sem sono, daí perguntei se ela não queria transar, ela a princípio disse que a série tava muito legal e tal, daí aceitei, achei que não ia rolar, mas ela continuou me olhando e sorrindo e acabou rolando. Depois ela me disse umas coisas legais, que dava a entender que gostava ainda de mim e isso me deu esperança, mas já no dia seguinte senti que ainda está nessa de meio que me evitar.
Eu sei que esse sentimento de voltar a gostar dela é irracional, porque na época do término eu tava 100% decidido a terminar, pois a gente não tava se encaixando mais, algumas coisas nossas não são tão comuns e etc. Também porque provavelmente tudo que tá me fazendo voltar a gostar dela é idealizado na minha cabeça, não é real.
Eu não sei o que fazer, não sei como abordar isso, não consegui contar isso pra ninguém e tô tentando ser o mais cuidadoso possível em relação a isso com ela, pra não estragar a amizade que a gente tem.
TL;DR: Voltei a gostar da ex, acho que ela ainda gosta de mim, mas tá determinada a seguir em frente e eu não sei o que fazer.
submitted by sure-answer to desabafos [link] [comments]


2019.08.07 15:50 lanaSouza “Bullying “nas relações conjugais - palavras que machucam!

Artigo publicado há 5 ANOS no JusBrasil , pela própria autora deste Blog, mas com antigo perfil do Jus (sucesso por lá, editado aqui pelas alterações da Maria da Penha em 2019)
Há alguns anos, poucos após a entrada em vigor da Lei Maria da Penha(11.340/2006), uma senhora me procurou, em meu antigo escritório em Cuiabá, para contar o que se passava consigo, na verdade, com o seu relacionamento conjugal.Dizia ela estar casada havia 3 anos e meio e há muito já não sabia o que era ouvir uma palavra carinhosa do marido, ao contrário disso, só ouvia frases depreciativas à respeito de sua aparência, suas vestes, sua inteligência, sua formação profissional, etc.
*Este texto está disponível também AQUI
Aliás, ela não sabia dizer se algum dia teria ouvido um elogio do marido sobre algo relacionado a ela, mesmo antes de casarem.
A senhora em questão havia me procurado para saber se tinha algo que ela pudesse fazer acerca do assunto, uma vez que também considerava aquilo como um tipo de violência doméstica. Ela estava certa. A violência porquê passava no dia a dia, dentro do lar, é considerada pela Lei 11.340/2006 como sendo Violência Psicológica, e vem prescrita nos artigos 5º “caput” e 7º, inciso II da referida Lei.
Art. 5o Para os efeitos desta Lei, configura violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual ou psicológico e dano moral ou patrimonial: (Vide Lei complementar nº 150 de 2015);
Art. 7o São formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras:
(…)
II - a violência psicológica, entendida como qualquer conduta que lhe cause dano emocional e diminuição da auto-estima ou que lhe prejudique e perturbe o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar suas ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação.
Hoje (2019), entretanto, a antiga Lei já conta com as mudanças acrescentadas pela Lei 13.827/2019, com as seguintes alterações:
Art. 2º O Capítulo III do Título III da Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), passa a vigorar acrescido do seguinte art. 12-C:
“Art. 12-C. Verificada a existência de risco atual ou iminente à vida ou à integridade física da mulher em situação de violência doméstica e familiar, ou de seus dependentes, o agressor será imediatamente afastado do lar, domicílio ou local de convivência com a ofendida:I - pela autoridade judicial;II - pelo delegado de polícia, quando o Município não for sede de comarca; ouIII - pelo policial, quando o Município não for sede de comarca e não houver delegado disponível no momento da denúncia.
§ 1º Nas hipóteses dos incisos II e III do caput deste artigo, o juiz será comunicado no prazo máximo de 24 (vinte e quatro) horas e decidirá, em igual prazo, sobre a manutenção ou a revogação da medida aplicada, devendo dar ciência ao Ministério Público concomitantemente.
§ 2º Nos casos de risco à integridade física da ofendida ou à efetividade da medida protetiva de urgência, não será concedida liberdade provisória ao preso.”
Art. 3º A Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006 (Lei Maria da Penha), passa a vigorar acrescida do seguinte art. 38-A:
“Art. 38-A. O juiz competente providenciará o registro da medida protetiva de urgência.
Parágrafo único. As medidas protetivas de urgência serão registradas em banco de dados mantido e regulamentado pelo Conselho Nacional de Justiça, garantido o acesso do Ministério Público, da Defensoria Pública e dos órgãos de segurança pública e de assistência social, com vistas à fiscalização e à efetividade das medidas protetivas.”
Art. 4º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 13 de maio de 2019; 198o da Independência e 131o da República. JAIR MESSIAS BOLSONARODamares Regina Alves
A violência em questão é quase tão grave quanto a física, podendo ser inclusive pior, vai depender do “estado emocional” de cada mulher e da constância da agressão!A pessoa da história acima passou a sofrer depressão com o decorrer do tempo. Frequentava o psiquiatra e tomava remédios controlados; não conseguia mais trabalhar e fazer as atividades da casa como antes pois vivia mais acamada do que disposta.
Engordou, deixou de fazer coisas que antes gostava, coisas normais e consideradas necessárias para uma mulher como: pintar as unhas, depilar-se, fazer exercícios, ir ao cinema, falar e encontrar com amigas e parentes; isolou-se em seu mundo – passou a ser tão“agressiva” com os demais que acredita ter se igualado ao agressor (marido); a vida dentro de casa transformou-se em “elogios” mútuos.
De pessoa “doce”, carinhosa, gentil e amável, em especial com os romances que já havia tido anteriormente, passou a ser amarga e tratar esse companheiro da mesma forma que ele a tratava pois, segundo ela, “é dando que se recebe”; “quem oferece flores receberá flores, mas quem só dá espinhos é isso que conseguirá” (palavras dela). No entanto, quanto mais agressiva (com palavras) se tornava, mas culpada e infeliz, vivia!O que fiz por essa senhora?
A Lei ainda era considerada “experimental”, estava em vigor há pouco mais de um ano, todavia era novidade, inclusive em se tratando de violência psicológica – no que tive de estudar o assunto para dar uma melhor resposta. Acredito que ela somente aguardou a resposta porque eu era indicação de uma amiga sua.
Diz ela que contar o caso que se passava em sua vida já era difícil e vergonhoso por demais para me contar, sair relatando a dois ou três Advogados era impossível.Assim fui “estudar” a lei mais a fundo para saber se o caso dela haveria solução.Percebi que, pelo fato de NÃO estar disposta à separação, nem tinha vontade de vê-lo preso, pois era ele quem mantinha a casa com o “bom salário” que recebia; (estava desempregada) e, na época sem condições psicológicas para tal; não haveria muito o que fazer a não ser indicar acompanhamento psicológico para ele também – até porque, como já dito, a lei era muito nova e não havia precedentes ou algo que se pudesse valer como “exemplo” para resolver a situação.Acredito que minha explicação não lhe tenha caído muito bem, pois ela insistia que àquilo era crime, já que havia lido a lei antes de ir me consultar. Um tipo difícil de cliente, pois acha que sabe tudo; não aceita conclusões e explicações que não seja do agrado. Mas qual seria a resposta que ela gostaria de ouvir se não queria se separar do marido nem vê-lo preso?- Já não sei, nunca entendi!Só sei que se a vida dela não estava fácil, a minha também não ficou nada agradável depois dessa consulta. Essa senhora estava muito impaciente, amarga e intolerante. Chorava com facilidade e perdia a paciência por qualquer coisa.
Realmente estava doente devido ao relacionamento perturbado que tinha com o marido, segundo ela, já tinha até pensamentos suicidas. Confesso que fiquei atormentada por não “conseguir” fazer nada.O esposo dessa cliente transformou a vida dela num inferno ao se aproveitar de sua fragilidade e dependência econômica!Chamá-la de preguiçosa, burra, gorda e inútil era comum, isso fez com que a auto estima dela se perdesse por completo. Era por isso que não desejava a separação, acreditava que não encontraria mais ninguém e muito menos um emprego para seguir vivendo – ele fazia questão de dizer, também, que ninguém a iria querer.
A atitude dele parecia a de um sádico; só se sentia feliz quando a fazia chorar – muitas vezes chegou a pensar que ele poderia ser um psicopata, já que não sentia nada por ela, nem por ninguém; totalmente desalmado e descompassivo – o pior de tudo é que ele deixava claro que gostava de ser assim!O relato que acabo de transcrever é bastante comum. Acredito que hoje a facilidade em lidar com tais situações é bem maior que há 13 (doze) anos, quando essa senhora me procurou.
Hoje existem delegacias especializadas em defesa da mulher em qualquer cidade, há ajuda psicológica oferecida pelo próprio Estado e apoio incondicional à mulher vítima de qualquer violência que venha descrita no artigo 7º da Lei Maria da Penha, e as alterações inseridas pela nova Lei (a de 2019 - citada acima).Um dos motivos que me fez recordar dessa infeliz Senhora foi a leitura de um artigo publicado na revista Marie Clarie de outubro de 2014, que entrevistou a Psicóloga Adelma Pimentel sobre o lançamento do livro em que é autora, denominado“Violência Psicológica nas relações conjugais” (da Summus Editorial).A obra fala do efeito devastador que uma violência desse gênero poderá acarretar nas relações conjugais.Preferi, no entanto, nomear este artigo como “Bullying” nas relações conjugais, pois a violência psicológica é partida, quase sempre, de um membro que se acha superior direcionada a outro que se encontra, segundo quem pratica, em relação de inferioridade.

Veja o que diz o artigo da Marie Claire:

Protegida pelo silêncio, incorporada aos costumes, herança da cultura patriarcal, ela se instala nos lares desde muito cedo, levando os casais a estabelecer relações pobres e, muitas vezes, doentias.
Estudiosa do assunto e militante da causa da prevenção e da erradicação da violência, Adelma apresenta um retrato dos embates psicológicos que acometem parceiros das mais diversas origens e classes sociais. No livro, ela faz uma análise profunda sobre o tema, propõe a nutrição psicológica de cada membro do casal para que diminuam os conflitos e oferece elementos indicativos para romper o ciclo de violência e restabelecer os vínculos afetivos do casal.Apesar da grande incidência nas relações conjugais, a agressão geralmente não é reconhecida pelos cônjuges, sobretudo pela mulher. Entre suas manifestações estão o deboche, a humilhação e o isolamento.
Na avaliação da psicóloga, famílias são organizações complexas, dialéticas e ambíguas. Campo de diversos choques, ódios e de trânsito voraz de rápidas, variadas e múltiplas emoções que podem coexistir no mesmo dia, conforme os atores e seus atos. “Dentro delas, os embates atravessados pela violência psicológica podem contribuir para forjar casamentos precipitados, uniões estáveis e até mesmo namoros que perpetuam o círculo vicioso de aprisionamento dos sujeitos”, complementa.
Num mundo totalmente reconfigurado, em que os papéis de gênero sofrem mudanças a cada dia, o livro é um referencial para discutir antigos modelos familiares e novos caminhos de expressão, baseados no autoconceito, na autoestima e na autoimagem nutridos psicologicamente desde a infância. “O objetivo é cooperar com os esforços coletivos para atualizar e renovar nossa humanidade, tão fragilizada pela supressão de valores éticos”, afirma a autora. Para ela, o diálogo é o nutriente imprescindível de uma relação afetiva amorosa. Ele é mediador do fortalecimento dos vínculos e do não enraizamento das violências privadas, sobretudo a psicológica.
Fonte: gruposummus. Com por Marie Claire
Autoria /Comentários: Elane F. De Souza OAB-CE 27.340-B
Foto/Créditos: pixabay grátis *Às vezes, como no caso apresentado, a única solução viável é o Divórcio; aproveito para indicar um sistema online, EFICAZ e mais barato do Brasil para se divorciar (funciona para ambos os sexos e quaisquer outra forma de relacionamento conjugal homossexual).
submitted by lanaSouza to DivulgueDireito [link] [comments]


2019.08.05 02:42 Joovtoo Preciso de ajuda

Acabei de fazer uma cagada no meu relacionamento, exatamente a 2h, e como de costume venho aqui falar dos meus problemas e pedir ajuda. Namoro a 2 meses, tenho 18 anos, meu primeiro relacionamento em que sinto reciprocidade e sei o tanto de amor que temos como casal. Não vim falar sobre meu amor, apenas entendam que é verdadeiro. Sempre fui meio babaca em certos comentários, bem babaca mesmo, e tenho um grp de amigos só pra falar as maiores tolices que fazemos, igual qualquer homem otário faz. O problema foi que minha namorada viu esse grp e o quanto somos tóxicos, e ainda por cima viu um comentário que fiz em tom de brincadeira se referindo a ela, antes de começarmos a namorar. Ela sempre foi insegura quanto a si, e eu simplesmente fiz ela se ferir de um jeito que não sei se pode ser reversível. Ela acabou de sair de casa chorando e deixando claro o quanto fui nojento por diversos motivos. Agora não sei mais o que fazer, tentei ligar pra ela pra me resolver e fazer de tudo pra reverter o que fiz, até mesmo prometer mudança (algo que eu nunca fiz em nosso relacionamento), por nós, EU AMO MUITO ELA E TENHO MEDO DE PERDE-LA, e sei que ela me ama igualmente. Por ela mudo minha postura e faço de tudo, pq sinto reciprocidade. Só queria que alguém pudesse me orientar a fazer isso do jeito certo, pq sei que ela quer se resolver também, mas tenho medo de agravar mais as coisas e fazer ela terminar cmg. :(
submitted by Joovtoo to desabafos [link] [comments]


2018.06.12 05:52 Ordep_TheCreator Divino ou não?

Hoje aconteceu algo muito diferente. Não sei o que foi. Eu saio do curso a noite e hoje encontrei o meu amigo, que estuda no período da noite em um colégio aqui, e resolvemos ir juntos para casa, pegando um caminho que não é de costume meu. Fomos eu, ele e um outro colega até que paramos para conversar sobre a copa. Esse colega teve que ir, pois tinha algo pra resolver, e ficamos um tempo conversando. Aparece, de repente e do nada, um senhor bem humilde. Cabelo baixo, grisalho, com uma pele parda e bem agasalhado, porém com um cheiro de cachaça. Mas na hora que ele no cumprimentou e começou a falar não estava falando embolado, apesar do cheiro. Ele foi contando a história da família dele e dando conselhos tipicos de pais, sempre enfatizando a frase: "Quem olha para o céu não fica cego". Eu e meu amigo estávamos tipo "MEH, mais um bebado querendo esmola" até que aconteceu algo diferente. Ele apertou na minha mão, com firmeza e começou a falar que nada iria me deter e tal, discurso de igreja. Perguntou meu nome e eu respondi "Pedro". Começou a exaltar o apóstolo, por toda sua história durante a passagem de Cristo na Terra, dizendo que eu era um sábio, que ganharia o mundo e que espelhava o apóstolo. Até aí era linguagem mais subjetiva e talvez estaria delirando. Minha mãe me ligou e atendi, deixando ele fazer esse aperto de mão com meu amigo. Aí começou a ficar mais diferente a história. Ele disse: "Porque olhas para a direita enquanto o que importa estas à esquerda?". Eu estava na esquerda, mas não fazia sentido. Ele completou: "Você pensa no futuro, mas esqueceu seu passado? Você tá pronto pra largar alguém que você goste pra ficar com outra que só te trará mais mágoas? Você vai sofrer mais, tem certeza disso? A mulher do seu passado te dava tudo, tinha condição financeira, um sítio, te dava carinho, estou mentindo?". Na hora, fiquei assutado, virei para meu amigo (também assutado) e falei: "Matheus, esse cara é seu vizinho?". Nem demorou e ele respondeu: "Nunca vi esse homem na vida". Ele descreveu detalhes do namoro de meu amigo, que tinha terminado há um mês atrás, porém ainda amava a garota, que tinha condição financeira realmente boa. Ele começou a falar sobre o meu relacionamento e disse que tínhamos muitos planos, o que realmente é verdade. Para terminar ele disse que iríamos se tornar pessoas importantes, apertou nossas mãos e partiu. Eu e meu amigo nos despedimos e ele disse para eu ligar para ele mais tarde, pois ele estava assustado (e com uma cara de choro). A forma com que o homem falava me trazia um conforto, mesmo que no começo achava chato, acabou que não se tornou uma conversa mais intimidadora. Acredito que aconteceu algo. Não sei se foi algo divino, mas como aconteceu isso tudo? Minha vida parece que virou uma bagunça. O que acham?
submitted by Ordep_TheCreator to desabafos [link] [comments]